Olhando A Paisagem

gravada em
 Luiz Tatit

Odete me deixou lá fora olhando a paisagem
Foi dar uma voltinha, fazer qualquer coisa
Eh Odete, toda enigmática
Nunca diz aonde vai

Mas bem que ela foi inteligente mostrando a paisagem
Pois eu não estava fazendo nada mesmo
Imagine que coisa tediosa ficar ali esperando
Sem ter o que olhar

No entanto não tinha sentido ela demorar tanto
Deixando-me ali horas e horas
Anoitecia, passavam-se os dias
E nada de Odete voltar

Até que eu fiquei desconfiado que algum imprevisto
Algum contratempo tivesse afligindo Odete
Foi a conta! Entrei pra dentro e comecei a telefonar
Liguei pra um monte de gente
E todos foram unânimes
Infames! Tentavam me convencer
Que Odete não ia voltar
E pediam pra que eu desistisse
Que desistir uma pinóia! Eu respondia
Vai voltar, sim!

Então me acalmei bem depressa olhando a paisagem
Pois não dá outra, tem que esperar mesmo
Ela disse: "vou dar uma voltinha,
Fazer qualquer coisa, já volto"

É claro que nem sempre sai como a gente planeja
Vou até ali já volto... não volta!
Não controla, acontecem mil coisas
Você acaba se envolvendo

O que me intrigava na história é que o tempo passava,
Passava e já tinha um mês e meio
E olha que isso é muito!
Pra quem espera o tempo passa devagar

Mas quando eu já estava no auge da desilusão e da desesperança
Quem é que aparece?
Quem é que pinta na minha paisagem?
Quem é que vem segurando um pacote?
Quem é que pede para eu dar uma mãozinha
Quem é que me aperta, me abraça e me dá um beijo, quem é?
Quem é que chega com a cara cansada
E no entretanto inda topa fazer um café?
Quem é? Quem é? Quem é?
Vamos, respondam só isso:
ODETE!
Exatamente!


Luiz: voz/violão
Paulo e Hélio: efeitos sonoros
Auditório de Vânia Bastos: coro “Odete”