Livro Aberto

gravada em
 Ná Ozzetti / Luiz Tatit

Penso em voz alta
Já quase cantando
E muitos segredos se vão
Quem chega perto
Escuta o que eu penso
Ser um livro aberto é bom

Mesmo em meu peito
Se guardo tristeza
Tem sempre um pouquinho que sai
E vai saindo
Com toda a certeza
Até que no fim não tem mais

Choro não nego
Às vezes me entrego
A um pranto que nunca contei
Basta me olhar na cara
Que o coração dispara
E os olhos dizem: chorei!

Sonho e me agito
No meio da noite
É fácil saber que sonhei
Quem está do lado
Acorda assustado
E sempre me diz que eu falei

Tudo que sinto
Em mim transparece
E nada parece sutil
E se cochicho
Com todo capricho
Tem gente de longe que ouviu

E a alegria
De todos os dias
Não adianta esconder
Nem que eu me cubra
Desapareça
Olhando bem dá pra ver

Penso em voz alta
Já quase cantando
E muitos segredos se vão
Se me perguntam
Sobrou algum segredo
Eu digo sem medo que não


Voz: Ná Ozzetti
Vocais: Geraldo Leite e Ná Ozzetti
Violão: Luiz Tatit
Aerophone: Hélio Ziskind
Guitarras: Hélio Ziskind e Marcio Arantes
Baixo Elétrico, Cuatro, Cavaquinho, Violão (outro), Teclado, Guiro, Bongô, Congas e Pandeirola: Marcio Arantes
Bateria: Gal Oppido
Arranjo: Marcio Arantes