Vida Apertada

gravada em
 Ciro de Sousa - 1940

Meu Deus, que vida apertada
Trabalho, não tenho nada
Vivo num martírio sem igual
A vida não tem encanto
Para quem padece tanto
Desse jeito eu acabo mal
Ser pobre não é defeito
Mas é infelicidade
Nem sequer tenho direito
De gozar a mocidade
Saio tarde do trabalho
Chego em casa semimorto
Pois enfrento uma estiva
Todo dia lá no 2
No cais do porto
Tadinho de mim, ai...


Geraldo Leite - Voz
Swami Jr. - Violão e Violão 7 cordas
Milton Mori - Cavaquinho
Valdir Ferreira - Trombone
Júnior Galante - Trumpete
Guilherme Kastrup - Pandeiro, Ganzá e Reco Reco
Douglas Alonso - Pandeiro, Surdo
e Tamborim de Nylon
Arranjo de Base - Swami Jr.
Arranjo de Sopros - Milton Mori