Quero Passear
1988


ampliar a capa
 
1.  Canção do Carro
2.  Quero Passear
3.  Mané Fala Ó
4.  Pipoca e Chiclete
5.  Robô Bibelô
6.  A Incrível História do Dr. Augusto Ruschi, o Naturalista e os Sapos Venenosos
Paulo Tatit

Na América do Sul tem um pais chamado Brasil onde acontecem
coisas incríveis e nós vamos contar como é que o naturalista
Augusto Ruschi se tratou da doença terrível que ele pegou dos
sapos venenosos.

Dr. Augusto Ruschi, o naturalista e os sapos venenosos.

Ele era naturalista porque gostava da natureza, estudava a
natureza, entendia os bichos, as matas, as formigas, os
passarinhos... e defendia a natureza!
Não deixava ninguém derrubar árvores, queimar florestas, poluir
rios, matar e arrancar a pele dos animais, não deixava.

Dr. Augusto Ruschi, mais vale um pássaro voando que dois na mão.

Mas antes de contar onde, como e porque os sapos venenosos
envenenaram o Dr. Ruschi, quero vem quem adivinha qual o
bicho que ele mais gostava. Dou-lhe uma, ... dou-lhe duas... dou-lhe três... o beija-flor!
Beija-flor das fadas; vermelho; saíra; besouro; pardo; d'água; do
mato; de penacho; comum; em geral.

Mas um dia, ... um dia ele estava sozinho na floresta e vieram os
sapos, os sapos venenosos! Primeiro ele parou e viu aqueles sapos
escondidos... ai ele falou:
- "Que sapos bonitos, vou estudar estes sapos" e levou alguns
sapos para examinar melhor na casa dele! ih! Mas ele não sabia
que aquele tipo de sapo quando ficava nervoso, irritado, soltava
um veneno terrível que podia ser mortal!

Cuidado Ruschi! Chiii, agora ele estava envenenado!

Dr. Augusto Ruschi, o naturalista, envenenado!

Ai, ai, ai.

Tentou os hospitais, as farmácias e drogarias, consultou médicos,
falou com cientistas, especialistas, tomou remédio, fez dieta, fez
de tudo, mas nada, nada, nada adiantava.

E o Dr. Augusto Ruschi, o naturalista, envenenado...

Nesses casos assim tão graves, só se alguém tiver uma grande
ideia e pensar uma coisa diferente, e pensar o que pouca gente
pensa...

E foi assim que um poeta lá do Rio, pediu ao Presidente do
Brasil, pra falar com o cacique dos índios (é claro, o cacique dos
índios!)

E veio o cacique Raoni
E veio o pajé Sapaim

Trouxeram as ervas lá do alto Xingu
Umas ervas estranhas pra chuchu
E disseram: "Viemos curar professor amigo do índio e dos
bichos".

E disseram e fizeram a pajelança. Medicina de índio, pajelança.

Fumaram cigarros, deram banho de ervas, esfregaram as mãos,
fizeram massagem... retiraram o veneno... curaram!

E todo mundo viu no jornal e TV, todo mundo acompanhou pelas
fotografias.
A gente via e ele ali ao lado dos dois amigos: Raoni, Sapaim.

E o Dr. Ruschi, o naturalista pôde então concluir o seu trabalho;
feliz ele foi atrás de uns beija-flores que faltavam pra completar
seu livro: BEIJA-FLOR de papo branco, da mata virgem, de
topete, de colarinho da cordilheira, grande, Brasil.

 


Voz/violão/vocal: Paulo Tatit
Flauta: Hélio Ziskind
Percussão: Pedro Mourão
Bateria: Gal Oppido

7.  O Monstro
8.  Garota Solitária
9.  A Noite no Castelo
10.  Ernestinho
11.  Marchinha do Cavalo
12.  Mosquitinho
13.  Micóbrio, o Dançarino Infeliz
14.  Eu É Que Não!
15.  A Pulga e a Daninha

Produção: Pedro Mourão
Direção de Arranjos: Paulo Tatit
Técnico de Gravação, Mixagem e Edição: Flávio Barreira
Gravação Original: Estúdio Eldorado - 1º semestre de 1988
Premasterização Digital: Ivo de Carvalho/Tecnologia Musical
Masterização e confecção: Norteastern Digital Recording (USA)
Coordenação da reedição: Geraldo Leite
Projeto Gráfico: Hélio de Almeida
Ilustrações: Laurabeatriz
Fotos: Gal Oppido
Produção Gráfica: Carlos Norberto de Souza

Agradecimentos a Edith Derdyk, Gravadora Eldorado, João Lara Mesquita, Cláudio Lucci, Editora Globo, Francisco de Assis, Cabral, Sérgio Vaz, Toninho Marques, Danilo Borges, Zeca Madio e Orlando Marques.

Dedicamos este disco a: Andre Mourão, Bel Tatit, Carolina Ziskind, Daniel Leite, Fabiana Barreira, Fabio Barreira, Felipe Barreira, Fernando Ziskind, Gabriel Uena, Guto Barreira, João Pedro Tuccori, Jonas Tatit, Jorge Leite, Lua Tatit, Liz Oppido, Marilia Brein, Rodrigo Mourão, Sílvia Brein.


Editora Verde (Warner Chappell)

Gravadora Dabliú: tatiana@dabliudiscos.com.br

 


 
xxx